Pet Virtual

18 abr Comentários

Um bichinho exótico como amigo!

O melhor amigo do homem não precisa ser um cachorro ou um gato. Algumas animais diferentes, como o esquilo da Mongólia e o simpático hamster ou o divertido furão também podem alegrar a casa.

Cachorro e gato todo mundo tem. Passarinho e peixe também. Mas chinchila, furão e o pequenino esquilo da Mongólia, por exemplo, já não se vê tanto por aí. Estes e outros animaizinhos exóticos também podem ser bons companheiros. Pequenos e, em geral, dóceis, eles são fáceis de lidar, inclusive com a criançada. Saiba mais sobre cada um deles e tome nota dos cuidados necessários.

Porquinho da Índia – É um bichinho de estimação muito fofinho, que além de ser lindo e engraçado ainda é muito dócil, curioso e possui hábitos diurnos. O animalzinho é um roedor herbívoro, e quando jovem pode parecer meio arisco e desconfiado, mas conforme passa mais tempo ao lado do dono, ganha mais confiança, e se torna um bichinho carinhoso e fácil de tratar.

Atenção: os machos adultos brigam constantemente entre si.
Cuidados: a dieta adequada deste animalzinho deve conter, além da ração específica para a espécie, legumes, alfafa ou feno seco, frutas (exceto morango, abacate e frutas muito ácidas como laranja e kiwi) e folhas verdes escuras bem lavadas, como couve e brócolis. É importante, inclusive, deixá-lo roer os talos. Folhas verdes claras devem ser abolidas da alimentação, pois absorvem mais os agrotóxicos podendo causar desarranjos intestinais.

Hamster – Seja o sírio ou o chinês, trata-se de um animalzinho de hábitos noturnos e extremamente territorialista, que prefere viver sozinho. No entanto, gosta de brincar. Para criar um casal, é importante que a dupla conviva desde filhote. As fêmeas, no entanto, podem ser mais agressivas. Os hamsters têm bolsas internas localizadas na região das bochechas, onde podem carregar até metade de seu peso em comida e até mesmo seus filhotes quando pressente perigo.
Cuidados: a base da alimentação deve ser a ração granulada, formulada especificamente para a espécie, mas também podem ser oferecidas folhas verdes escuras (inclusive os talos, para o animal roer), legumes, alfafa ou feno seco e frutas (exceto morango, abacate e frutas ácidas como o kiwi). A gaiola deve ser mantida longe de correntes de ar e altas temperaturas, e deve conter uma roda para que o animal se exercite e se distraia.

Chinchila - É um animalzinho muito bonitinho, que nos lembra muito um coelho. Seu nome provavelmente é devido à existência de uma tribo indígena chamada Chinchas, localizada na região onde o mamífero foi primeiramente encontrado – a Cordilheira dos Andes – por volta do século 16.

O animal é uma excelente escolha como bicho de estimação exótico, pois além de serem extremamente dóceis e limpos, eles ainda são muito calmos, e possuem um pelo bem denso e fofo. Apesar de se dar muito bem com o dia, é a noite que são mais ativas, quando ficam mais espertas e praticam suas brincadeiras e escaladas na gaiola.

Cuidados: existem rações balanceadas próprias para o bichinho. Se quiser, complemente a alimentação com frutas como maçã, pera e uva passa. A chinchila precisa de espaço para se exercitar. Portanto, é importante que a gaiola seja alta e equipada com prateleiras e roda para que ela faça seus exercícios. Mantenha o animal protegido de correntes de ar e altas temperaturas. O peludinho também precisa de banhos secos com pó de mármore (carbonato de cálcio), para evitar odores. Trata-se de um desengordurante que, além de tirar a sujeira, resfresca o animal. Coloque-o em um recipiente dentro da gaiola durante cerca de dez minutos. A chinchila vai rolar na mistura e sair dela limpinha.

Gerbil ou esquilo da Mongólia - É um bichinho de hábitos diurnos e extremamente territorialista, que prefere viver sozinho. Gosta de saltar, cavar, brincar e se esconder. Quando muito apertado ao ser manuseado, pode morder.

Disponibilize uma pequena banheira com pó de mármore ou bicarbonato para que ele tome banhos secos. Quando muito apertado ao ser manuseado, pode morder. A expectativa de vida é de dois a três anos.
Cuidados: os mesmos dos hamsters. Importante: ao pegá-lo, não puxe pela cauda. para evitar problemas sérios de saúde como a pneumonia, o esquilo-da-mongólia não deve tomar banho com água.

Ferret ou furão - É usado como animal de estimação em vários países do mundo, e ao contrário do que muita gente pensa, ele não é um roedor. Parente próximo da doninha, ele é um animal brincalhão, aventureiro e muito curioso, que gosta da atenção do dono e detesta lugares apertados.O Furão tem hábitos noturnos, é dócil, curioso, brincalhão e agitado, um excelente animal para fazer companhia.Ele se adapta facilmente, mas não é um bichinho indicado para crianças muito pequenas, porque este, quando apertado, pode reagir de maneira agressiva. Além de uma alimentação adequada, o Furão necessita de vacinas, higiene, de uma gaiola com água e comida, uma rede para dormir, brinquedos para a sua diversão e como todo bichinho de estimação, carinho.

Cuidados: o bichinho deve ser alimentado com ração seca, que pode ser complementada de vez em quando com ovos, órgãos e músculos crus. Muitos também gostam de comer frutas, mas elas devem ser oferecidas esporadicamente, e em pequenas porções. Carboidratos e fibras devem ser evitados devido à dificuldade de digestão. Dependendo do clima, os ferrets podem ser criados dentro ou fora de casa. Sua gaiola deve ser de espaçosa e protegida de correntes de ar, vapores e extremos de calor ou frio. Para não ficar estressado, ele precisa de um lugar escuro e protegido para dormir, mas pode ser treinado para fazer suas necessidades em caixas de resíduos como a dos gatos.
O animal não deve ficar o tempo todo preso. O furão precisa de uma área livre para brincar com objetos que o entretenham, como caixas e canos de plástico (evite apenas oferecer objetos pequenos, espuma e borracha, que podem ser engolidos). Duas horas diárias de exercícios são o mínimo.

Mini coelho ou coelho anão – Os coelhos anões, popularmente conhecidos como mini coelhos, são quatro vezes menor do que as outras raças da espécie. Os pequeninos podem pesar entre 600 g e 2 kg, e medem cerca de 30 cm. Alguns cabem na palma da mão! Eles são mansos, carinhosos, silenciosos e limpos. Dependendo da raça, o coelho anão pode ter características diferentes, como pelagem longa ou curta, orelhas em pé ou caídas e as mais diversas cores. É um animal esperto, rápido, carinhoso e silencioso, podendo viver em casa, apartamento ou sítio. Por se lavar sozinho, os seus pêlos não têm cheiro, e também não precisam de vacinas.  Criado em gaiolas, com uma boa alimentação e sempre bem cuidado, o mini coelho pode viver em média de 8 anos. E é importante saber que a troca do lugar do seu comedouro, bebedouro, brinquedos e WC, podem irritá-lo, uma vez que estes fazem as suas necessidades em um lugar específico.

Cuidados: algumas rações vendidas em Petshop, os vegetais – sempre bem lavados – devem ser incluídos em sua alimentação para estimular o desgaste proporcional dos dentes e regular o intestino do animal. As verduras devem ser de folha verde escura (couve, espinafre, chicória etc.), e os legumes crus. Frutas podem ser oferecidas em um intervalo de dois em dois dias.
A gaiola do animalzinho deve ser o mais espaçosa possível e ser mantida longe de correntes de ar, bem como do calor excessivo. O piso precisa estar sempre seco e não deve ser áspero, para evitar lesões nas patas. Evite comprar gaiolas com o teto de plástico, pois são menos arejadas. É importante soltar o coelhinho freqüentemente para que ele possa se exercitar. E atenção: nunca carregue o animal pelas orelhas, ele sente dor.

Mecol ou twister - Muito ágil, ativo e curioso, este simpático roedor da mesma família dos ratos é um animal de hábitos noturnos. Sua cauda longa o ajuda a subir por paredes lisas. Ele também nada e mergulha bem, além de saltar com facilidade. Por isso, escapa de gaiolas mal fechadas sem grandes dificuldades. Em geral são dóceis, mas às vezes podem ser desconfiados e agressivos. O bichinho vive de dois a quatro anos.
Cuidados: a alimentação é a mesma dos hamsters. O mecol precisa ainda de espaço para se sentir feliz. O ideal é um terrário com dimensões de 60 x 40 cm, no mínimo, de preferência alto e com escadas. A roda não pode faltar para que o bichinho se exercite. Casas de acrílico vendidas para hamsters também são uma bia opção. O fundo de arame não é aconselhável, pois pode machucar a pata do ratinho.

Clique aqui e confira os produtos que a Petshop.com.br disponibiliza para seu pequeno amigo.

Cuidados básicos gerais

1 - A água do seu bichinho deve ser filtrada e, assim como a ração, trocada diariamente. Lave o comedouro e o bebedouro com sabão neutro, para evitar intoxicação do animal.

2 - A gaiola deve ser forrada com papel pardo, papel toalha, serragem ou areia sanitária de gato não perfumada e de granulação grossa, que devem ser trocados diariamente. Nunca forre com jornal ou qualquer outro tipo de papel que contenha tinta.

3 - A gaiola deve ser higienizada com sabão neutro e cloro diluído na proporção de uma parte de cloro para nove de água. Nunca use desinfetantes.

4 - Lembre-se de lavar as mãos após limpar a gaiola. Higienize-as também sempre depois de manusear ou brincar com o animal.

5 - Antes de adquirir o seu bichinho, converse com um veterinário e tire todas as suas dúvidas. Ao comprá-lo, leve-o para fazer um check-up o quanto antes.

ATENÇÃO: chinchila, porquinho da Índia, coelho, hamster e mecol são considerados animais domésticos pelo Ibama e, portanto, sua criação é legal. Ao decidir comprar outro bicho de estimação exótico, opte pela posse responsável. Para isso, certifique-se de que a loja ou criadouro tenha registro no Ibama. Do contrário, a compra e venda desses animais é passível de multa e detenção. No caso dos ferrets, a situação é específica. Não existe autorização para criadores no Brasil. Portanto, eles só podem ser comprados importados, com todo o trâmite para tal, e devem vir castrados. Exiga a nota se importação do estabelecimento onde o bichinho for adquirido.


Nenhum comentário em “Um bichinho exótico como amigo!”

Comente