Pet Virtual

03 mar Comentários

Castração: mitos e verdade

Foto: Reprodução

A esterilização de animais é um ato de amor ao seu bichinho e está se tornando cada vez mais fundamental, principalmente para as pessoas que vivem nos grandes centros urbanos. Além de evitar a reprodução, a cirurgia de castração impede que o animal fique exposto a diversas doenças como o câncer de próstata, mama, ovário e útero.

O que você precisa saber:

Animais castrados não ficam obesos. O que leva os animais a engordarem são a vida sedentária e alimentação inadequada.

Gatas podem entrar no cio em períodos menores do que um mês.  Para gatas, exista a possibilidade do que chamamos de cio induzido, causado pela presença de machos não castrados numa distância próxima.

A castração deixa o animal não deixa o animal com problemas neurológicos. Após castrados os animais apresentam um comportamento mais tranquilo, porém continuam brincando e se divertindo normalmente.

A castração é uma cirurgia simples, rápida e com pós-operatório tranquilo. Em 24h o animal volta a estar ativo e assim que retiram os pontos, ele volta a levar uma vida completamente normal.

Os animais podem ser castrados a partir dos dois meses de vida sem que haja nenhum prejuízo a saúde deles. Aliás, quanto mais novo for o animal, mas rápida será a sua recuperação.

Castrando os machos eles deixam de fazer xixi pela casa. Machos castrados antes da puberdade, ou seja, antes dos seis meses de vida, não chegam se quer a apresentar tal problema. Em animais adultos que já tenham o hábito de demarcar território, a castração também se mostra muito eficiente em ao menos diminuir consideravelmente esse problema.

Gatos machos inteiros podem sentir uma fêmea no cio a quilômetros de distância. Um gato macho, não castrado, pode sentir o cheiro de uma fêmea no cio num raio de 20km de distância.

Castrando você evita, além de doenças físicas, também problemas comportamentais, como, por exemplo, a gravidez psicológica em fêmeas, um problema causado por cios frequentes.

Fonte: Movimento dos Protetores Independentes.


Nenhum comentário em “Castração: mitos e verdade”

Comente